Backstage Music


 
HomeHome  FAQFAQ  SearchSearch  RegisterRegister  Log in  
Photobucket
INTERVIEWERS WANTED!
+Info

Share | 
 

 Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09

Go down 
AuthorMessage
Pieni
Backstage Press | Level 3
Backstage Press | Level 3
avatar

Registration date : 2009-04-06
Number of posts : 548
Age : 39
Country/ City : Portugal / Gaia
Preferred Music Style : hard'n'heavy

PostSubject: Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09   Sun Dec 11 2011, 18:59

EUROPEAN OUTBREAK 2011



9 de Dezembro de 2011
Hard Club
Line-up: AMARANTHE, VICIOUS RUMOURS, HAMMERFALL
Texto & fotos: Renata Lino


Ainda não eram 20:00 e já cerca de duas dezenas de pessoas se encontravam à porta do Hard Club. Ainda bem que o fizeram, pois o concerto começou mais cedo: o bilhete marcava 21:00 mas os sueco-dinamarqueses AMARANTHE subiram ao palco pouco depois das 20:30, com “Leave Everything Behind” – primeiro tema do álbum de estreia autointitulado (2011), e título do primeiro EP (2009).
Elize Ryd já cá tinha estado o ano passado no Vagos Open Air, a acompanhar os KAMELOT, mas era a primeira vez da banda em Portugal. E estavam a gostar muito. Eu sei que todos dizem sempre isso, mas dada a forma calorosa com que foram recebidos pelos fãs da primeira fila, creio que falavam verdade. Até que entretanto tinha chegado mais gente, que os aplaudiu
Por motivos pessoais, o vocalista Andreas Solveström não pôde estar presente nesta tour, pelo que convidaram Richard Sjunnesson dos THE UNGUIDED. Não sei quanto tempo ele teve para ensaiar com a banda, mas parecia bastante integrado, não só nas vozes mas também nos movimentos.
Vivacidade e energia q.b., que se destacaram em temas como “1.000.000 Lightyears”, “It’s All About Me”, “Automatic” e, claro, o mais conhecido “Hunger”, com que finalizaram o concerto. O público saltou, gritou e bateu palmas, e o vocalista Jake E. prometeu que os AMARANTHE iriam voltar um dia. O público queria mais naquela mesma noite, mas não foi possível.

www.amaranthe.se
www.facebook,com/TheUnguided












Como por cá há ainda muita gente que prefere chegar mais tarde só para ver a banda que gosta, houve quem perdesse o primeiro quarto de hora dos VICIOUS RUMOURS (talvez aprendam a dar uma oportunidade às “bandas pequenas” de agora em diante?).
A veterana banda de heavy/power da Bay Area começou logo “a abrir” com dois temas editados há mais anos do que muitos dos presentes tinham de vida – “Digital Dictator”, seguido sem interrupção por “Minute To Kill”, ambas de 1988.
O guitarrista e líder da banda Geoff Thorpe – o único membro constante desde o início – disse ser um prazer estar ali connosco a celebrar "666 anos de VICIOUS RUMOURS" (na “vida real” são 32). E do antigo para o novo, tocaram “Murderball”, o tema de abertura do álbum editado em Março, “Razorback Killers”.
Uma excelente actuação old school, cheia de headbanging e “caras maléficas”, mas eram as expressões insanas do vocalista Brian Allen que tinham maior impacto visual.
À parte de “Let The Garden Burn”, também do novo álbum, todas as músicas fazem parte dos primeiros quatro álbuns da banda, pelo que podem calcular como foi um concerto recheado de clássicos.
Depois de substituirmos Allen no refrão de “Soldiers Of The Night”, a banda despediu-se com “Don’t Wait For Me”, com Thorpe e Kiyoshi Morgan a estragularem Allen com as suas guitarras, e Stephen Goodwin a “finalizar o assassinato” batendo com o seu baixo na cabeça do vocalista caído. Thorpe e Morgan arrastaram Allen para fora do palco, deixando o público a gritar por mais uma.

www.viciousrumours.com












A Renegade World Crusade passou por Portugal em 2001 (com VIRGIN STEELE e FREEDOM CALL), mas depois disso, os HAMMERFALL nunca mais passaram a fronteira portuguesa. Joacim Cans estava bem ciente disso, dizendo que depois de dez longos anos iriam tocar coisas antigas, coisas novas, e pelo meio iríamos divertir-nos “como se não houvesse amanhã”.
Foi com algo novo que começaram. Envoltos em fumo e luzes vermelhas, Anders Johansson, Oscar Dronjak, Pontus Norgren e Fredrik Larsson assumiram as suas posições em palco, ao som da intro de “Patient Zero”, do álbum deste ano “Infected”.
Mais à frente, Cans contou um pouco da sua história: em 1981 ouviu um vinil (“vocês sabem o que é? Assim redondo... Não é cd, não é mp3”). E que depois disso não teve dúvidas sobre o que queria fazer na vida. Estava assim apresentada “B.Y.H.” (Bang Your Head), cujo primeiro verso é precisamente “In 1981, the metal struck like thunder”.
Não foi preciso apresentar “Renegade”, uma vez que o som da Harley Davidson no seu início denunciou-a logo. Assim como, de seguida, quando um roadie trouxe uma guitarra acústica para Norgren, adivinhava-se “Always Will Be”. Cans disse que antes de partirem em tour – que acabava naquela noite – ao decidir que músicas tocar, descobriram que aquela tinha sido a 7ª mais ouvida. Porque agora não eram só tipos que ouviam HAMMERFALL, também havia muitas raparigas – que mostraram logo a sua presença, berrando bem alto. “This is for you, this is ‘Always Will Be’. Toda a sala cantou o refrão, não só as meninas. “Beautiful, thank you”, disse Cans.
No seu solo, Dronjak veio para o centro do palco, mas não arrastou a pedaleira consigo, deixando Cans encarregue dela.
Depois de “Dia De Los Muertos”, veio uma mão cheia de oldies“Riders Of The Storm”, “Steel Meets Steel”, “Legacy Of Kings”, “Let The Hammer Fall” e “The Dragon Lies Bleeding”. Cans tinha já dito ter pena de quem não conhecia as coisas mais antigas pois agora iriam abrir “a big can of old school HAMMERFALL. E antes de “Let The Hammer Fall”, perguntou quantos de nós estavam a vê-los pela primeira vez. Quando a maioria levantou o braço, expressou um “uh-oh”. Para confirmar o número, perguntou quantos já os tinham visto antes. E, de facto, eram menos. “Temos um problema. Vamos ter de ensinar aos newcomers como se faz: LET THE HAMMER....?” Mas não era preciso tê-los visto antes para saber que tinha de gritar-se FALL a plenos pulmões. Ainda assim, Cans enfatizou a tarefa pedindo-nos o “longest, hardest and meanest ‘fall’” E no final declarou “and the hammer fucking fell right here in Porto!”.
Antes de “The Templar Flame” Cans apresentou a banda, começando por Norgren e dando-lhe um minuto para um solo. Ao apresentar Larsson perguntou ao baixista se ele também queria tocar. O público queria, começando a gritar "solo, solo!" mas tal acabou por não acontecer.
Nem Johansson o fez, brincando apenas um pouco com a bateira. Cans informou que ele, nos anos ’80, tinha inventando a destruição de quartos de hotel quando em tour com Yngwie Malmsteen (esquecendo-se de mencionar que o fez com o irmão Jens Johansson, actual teclista dos STRATOVARIUS – parece que eram um autêntico terror).
Quanto a Dronjak, Cans apresentou como “the proof that blondes have more fun”.
E ele era apenas “the man with the microphone”, dizendo o seu nome com uma pequena vénia.
Depois de deixarem o palco, o público gritou os seus habituais “olés” e o nome da banda, para chamá-la de volta. Segundo a setlist, deveriam tê-lo feito com a balada que dá título ao álbum de estreia (1997), “Glory To The Brave”, mas acabaram por ir directos para o primeiro single de “Infected”, “One More Time”.
Terminaram com “Hearts On Fire”, esperando poder voltar em breve. Para trazermos os nossos amigos e divertirmo-nos tanto ou mais do que nesta noite. Muito divertidos e, ao mesmo tempo, muito profissionais, com um Cans com uma voz bastante mais segura, mais forte, e cujos agudos não são tão estridentes nem saem de tom como outrora, foi sem dúvida um concerto memorável.

www.hammerfall.net



















Back to top Go down
MI-13
Backstage Press | Level 3
Backstage Press | Level 3
avatar

Registration date : 2008-02-26
Male Number of posts : 956
Age : 40
Country/ City : Portugal/V.N.Gaia
Preferred Music Style : MEtal

PostSubject: Re: Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09   Fri Jan 20 2012, 18:35

Não sabia que Amanthe eram 3 a cantar fónix

mas a vocals ganha aos gajos, canta melhor e gira oolol
pelo menos as fotos mostram isso mesmo.
Deve ter sido estranho para os fans de Hammerfall verem os Amaranthe eheheh

Esta última foto está mesmo fixe :D é mesmo o Heavy Metallllllllllllllllllllllllllll
Back to top Go down
Pieni
Backstage Press | Level 3
Backstage Press | Level 3
avatar

Registration date : 2009-04-06
Number of posts : 548
Age : 39
Country/ City : Portugal / Gaia
Preferred Music Style : hard'n'heavy

PostSubject: Re: Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09   Fri Jan 20 2012, 18:45

Sim, Amaranthe tem voz feminina, voz masculina limpa e voz masculina gutural.

Não deve ter sido muito. Olha que parte da base musical não é muito diferente - Amaranthe tem bastantes melodias de power metal.

Eh eh, obrigado. A última foto é a minha preferida
Back to top Go down
Sponsored content




PostSubject: Re: Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09   

Back to top Go down
 
Reportagem: HAMMERFALL + VICIOUS RUMOURS + AMARANTHE, Hard Club, 2011-12-09
Back to top 
Page 1 of 1
 Similar topics
-
» Find A Grave.com
» Dubversao: Vegas Club, Sao Paulo Brazil, Feat. Ranking Joe part. 2
» Rock & Worship Roadshow 2011 Tour
» Jean Luc Ponty, Frank Gambale joins Return to forever 2011
» Addies: Cue Club, Queens NY. 1995

Permissions in this forum:You cannot reply to topics in this forum
Backstage Music :: General :: Hard n Heavy :: Live Music Feedback-
Jump to: