Backstage Music


 
HomeHome  FAQFAQ  SearchSearch  RegisterRegister  Log in  
Photobucket
INTERVIEWERS WANTED!
+Info

Share | 
 

 Reportagem: TURISAS + GWYDION, Hard Club, 2011-11-27

Go down 
AuthorMessage
Pieni
Backstage Press | Level 3
Backstage Press | Level 3
avatar

Registration date : 2009-04-06
Number of posts : 548
Age : 39
Country/ City : Portugal / Gaia
Preferred Music Style : hard'n'heavy

PostSubject: Reportagem: TURISAS + GWYDION, Hard Club, 2011-11-27   Tue Nov 29 2011, 12:54

STAND UP AND FIGHT tour


27 de Novembro de 2011
Hard Club (sala 2)
Line-up: GWYDION, TURISAS
Texto & fotos: Renata Lino


Não tendo sido previamente avisada de que o concerto de TURISAS tinha passado para a sala 2 do Hard Club, estava a contar com o fosso para fotografar e não fui com a devida antecedência para o local. Daí o escasso número de fotos e fraca qualidade das mesmas - não consegui ângulos decentes -, pelo que peço desculpa desde já.

Faltava cerca de um quarto de hora para as 21:00 quando a intro dos GWYDION se fez ouvir, depois de “5 longos anos” (para usar as palavras do vocalista Ruben Almeida) longe dos palcos do Porto. Enquanto o novo álbum não sai, continuam a promover “Horn Triskelion”, embora o fecho do concerto continue a estar a cargo do “clássico” “Turning Of The Wheel”, do álbum de estreia “Ŷnis Mön”. Pudemos ouvir ainda uma música nova, “Math Of War”, que tinham tocado pela primeira vez na noite anterior em Corroios. E antes de “Six Trials To Become A Beerzerker”, Ruben esclareceu o público quanto à diferença entre Berserker e Beerzerker: os primeiros bebiam e lutavam; os segundos só bebiam.

Quarenta minutos de folk e animação, tanto no palco como fora dele.

www.myspace.com/gwydionmetal






Mas a verdadeira festa instalou-se com os finlandeses, que nos visitavam pela primeira vez. “Marchando” logo ao início com “The March Of The Varangian Guard”, banda e público mostraram uma grande cumplicidade e a noite prometia. Mathias Nygård, também conhecido por Warlord, contrariou o mito de que os povos nórdicos são frios e introvertidos – muito falador, extremamente simpático e divertido. Ainda antes da segunda música, e depois de agradecer em português, reiniciou por três vezes o pequeno discurso acerca de como era bom estar ali, depois das datas de Maio não terem sido possíveis. Com tanta interrupção, toda a gente riu quando ele acabou por dizer que achava que NÃO estava bêbado o suficiente e pegou numa Super Bock.

Sempre a berrar, dançar e erguer os braços no ar – quer em punhos cerrados ou em palmas sincronizadas – o público foi tão incansável quanto os músicos, cuja energia transbordava.

Depois de “Take The Day!” (uma das minhas favoritas e que fiquei satisfeita por ver como funciona bem ao vivo), Warlord disse que a música seguinte provavelmente faria com que pensássemos em tapa-olhos e papagaios ao ombro, mas que não tinha nada a ver com isso. “Forget about Johnny Depp for a while, this is ‘Hunting Pirates’!”

De seguida foi a vez de Olli Vänskä dirigir-se ao público, dizendo que agora não era preciso moshpits, crowdsurfs ou surfpits (!), nem nenhuma dessas “funny things” que costumávamos fazer. E que se tivéssemos um isqueiro, poderia ser útil. Presenteou-nos então com um solo de violino, um tanto melancólico mas sem dúvida lindo.

“Where’s my Super Bock?” perguntou Warlord quando regressou ao palco. E quando a encontrou fez nova pergunta, desta vez acerca do jogo do Futebol Clube do Porto, que tinha havido horas antes. Quando a maior parte do público gritou um sonoro “yeah!” em resposta a “did you win?”, Warlord surpreendeu-nos ao apontar para o teclista Robert Engstrand e dizer-nos que ele tinha estado no Estádio do Dragão a assistir ao jogo! Parece que Robert é louco por futebol e aproveitou a oportunidade, deixando o resto da banda preocupado, com medo que ele não regressasse a tempo para o concerto.

“Stand Up And Fight”, o mais recente hit da banda, deveria ser a última antes do encore, mas a banda não arredou pé do palco. Em vez disso, o baterista Tuomas Lehtonen e Olli começaram a marcar o ritmo do tema seguinte, enquanto Warlord perguntava, uma vez que era domingo à noite, quem estava com vontade de dançar. E a cover dos Boney M. “Rasputin” transformou o Hard Club numa discoteca... diferente.

Este era o último concerto da tour, e depois de três semanas num Reino Unido cinzento a beber um café terrível (“it was disgusting!”), ao dirigirem-se para Espanha e Portugal o tempo tinha melhorado e eles agora não queriam voltar para casa, onde teriam de abrir caminho entre a neve até à sua porta durante os próximos seis meses. Tinham se divertido imenso naquelas 47 datas mas todas as coisas boas tinham de acabar, como aquele concerto. Por isso queria que gritássemos o título do tema final bem alto, para que levassem aquele calor com eles para os referidos próximos seis meses. Claro que não ficou satisfeito (os vocalistas nunca ficam à primeira tentativa), dizendo que aquele berro não dava nem para a primeira semana. Ao fim de três ou quatro “BATTLE METAL” lá conseguimos atingir os seis meses.

No final, abraçaram-se entusiasticamente, numa espécie de “missão cumprida”. Alguém tinha dado uma bandeira de Portugal a meio do concerto, que Warlord estendera sobre a bateria. Juntamente com Robert, ergueram-na e dançaram em pequenos círculos. A satisfação era visível e acredito que Warlord estava a ser sincero quando disse que tinha sido a primeira vez dos TURISAS em Portugal mas certamente não seria a última. Cá os esperamos.

www.turisas.com







[
Back to top Go down
 
Reportagem: TURISAS + GWYDION, Hard Club, 2011-11-27
Back to top 
Page 1 of 1
 Similar topics
-
» Find A Grave.com
» Dubversao: Vegas Club, Sao Paulo Brazil, Feat. Ranking Joe part. 2
» Rock & Worship Roadshow 2011 Tour
» Jean Luc Ponty, Frank Gambale joins Return to forever 2011
» Addies: Cue Club, Queens NY. 1995

Permissions in this forum:You cannot reply to topics in this forum
Backstage Music :: General :: Hard n Heavy :: Live Music Feedback-
Jump to: